Curso de Teologia

A mente do sacerdote deve ter a luz da Teologia, irradiada pelo amor a Deus e às almas.

A Teologia, como a palavra o indica, é a Ciência (logos) de Deus (Theos). Nela se estuda, à luz da Revelação divina, Deus e sua obra: a Criação.

É aquela sabedoria que, a partir da fé, deve iluminar toda a vida cristã: a vida contemplativa, penetrando no mistério de Deus, Uno e Trino, Criador e Senhor de todas as coisas, e de Jesus Cristo, Deus e homem, nosso Redentor e Cabeça da Igreja; e a vida ativa, dispondo nossa conduta segundo a virtude, a exemplo de Cristo. É, portanto, a ciência por excelência do sacerdote e sua máxima expressão está na Suma Teológica de Santo Tomás.

Importância da Teologia

A fé viva que leva ao Céu é aquela que ilumina a visão do cristão e rege sua vida. Quem limita a luz da fé ao espaço e ao tempo em que assiste à missa e não a deixa sair, não se salva. Pois bem, a iluminação da fé na vida do homem é, por definição, a Teologia.

A Teologia é a sabedoria da vida cristã, que começa a ser aprendida pela criança no catecismo e que só termina com a visão beatífica de Deus no Paraíso. Mas como os fiéis cristãos não têm normalmente nem as condições nem o tempo para estudar a Teologia, como seria conveniente, Nosso Senhor deixou-lhes os sacerdotes, para que os ensinem, aconselhem e sustentem nessa visão cristã da vida.

Portanto, existe a urgente necessidade, recalcada por nosso fundador, de que os sacerdotes da FSSPX sejam formados segundo Santo Tomás, para que alcancem o verdadeiro espírito sacerdotal tal como o quer a Igreja. O sacerdote deve ser uma lâmpada que ilumine as almas e a sociedade, para que elas se conservem cristãs:                                                                                                                                     

Vós sois a luz do mundo: não se acende uma luz para colocá-la debaixo do alqueire, mas sim sobre o candeeiro, a fim de que brilhe a todos os que estão em casa.” (Mt. 5,14-15)

Matérias Cursadas

A Teologia é a ciência por excelência do sacerdote. E por isso, diferente das ciências humanas, que são muitas, a Teologia é uma ciência especificamente una, especulativa e prática, como é una a Sabedoria divina.

Todos os cursos de ciências sagradas que se estudam no seminário não são mais que partes materiais da única ciência da Teologia. Nos cursos de Sagrada Escritura e Atas do Magistério são estudadas as duas fontes da Revelação. Os cursos de Dogmática e de Moral desenvolvem a Teologia mais propriamente dita. O curso de Historia da Igreja da uma visão teológica dos acontecimentos. Os cursos de Liturgia e Direito Canônico são teologia aplicada ao culto e à conduta cristã.

Teologia Dogmática I e II

As duas Teologias Dogmáticas tratam os assuntos mais especulativos e a Teologia Moral os temas mais práticos, ainda que não exista mistério a contemplar do qual não derivem consequências a praticar, nem condutas práticas que não respondam a altos princípios especulativos. Por esse motivo, os professores de Teologia não podem encerrar-se em suas matérias sem cultivar sempre a Teologia inteira. Os alunos recebem parte por parte os diferentes cursos e temas e vão armando a Teologia como peças de um quebra-cabeça (literal para mais de um); os professores devem ter a visão integral e mostrar sempre as relações entre casa peça.

A Teologia Dogmática I trata os temas maiores e por isso tem mais horas de aula por semana. A Dogmática II trata os temas menores, ainda que nada seja pequeno na Ciência de Deus.

Por necessidades práticas do número de alunos e de professores, os cursos são dados em ciclos de três anos, ao que assistem juntos todos os seminaristas do curso de teologia. Em todos esses cursos é seguida fielmente a Suma Teológica de Santo Tomás de Aquino e em cada ano são estudados alguns de seus tratados, de acordo à seguinte divisão:

Ano Teologia Dogmática I Teologia Dogmática II
A

A Teologia em si mesma
Deus Uno e Trino

Deus Criador
Os Anjos

B

A união hipostática em Jesus Cristo
Os mistérios de Cristo Salvador

O pecado original
A graça

C

Os Sacramentos em geral
O Batismo, a Eucaristia e a Ordem Sagrada

As virtudes teologais
Os Novíssimos

Teologia Moral

Santo Tomás diz no prólogo à Segunda Parte da Suma Teológica: “Como, seguindo o Damasceno (De fide orth., l. 2, c. 12), diz-se que o homem foi feito à imagem de Deus, entendendo-se por imagem o fato de ser intelectual, ter arbítrio livre e própria potestade (per se potestativum); depois de ter estudado o Exemplar, isto é, Deus, e aquilo que procede do poder divino segundo sua vontade, resta considerar agora a sua imagem, ou seja, o homem, segundo que ele também é princípio de suas próprias obras, em quanto que tem livre arbítrio e domínio sobre elas”.

Com essas palavras é possível definir a Teologia Moral, matéria na qual o seminarista estuda o principal sobre o homem em sua ordenação livre a Deus, último fim e bem-aventurança verdadeira. Esse estudo o ajuda a desenvolver as condições necessárias para a formação da virtude de prudência, que torna o sacerdote confessor e conselheiro. O curso dura três anos nos quais se estudam:

  • Primeiro Ano: Princípios da ordem moral (Segunda Parte da Suma Teológica: Questões 1 a 97 da Prima Secundae). 
  • Segundo Ano: As virtudes e os vícios em particular (Segunda Parte da Suma Teológica: Questões 1 a 170 da Secunda Secundae).
  • Terceiro Ano: Questões relativas aos sacramentos (Terceira Parte e Suplemento da Suma Teológica).

Sagrada Escritura

A Sagrada Escritura é estudada em todos os anos do seminário. Esse estudo começa com um ano de introdução geral no curso de Espiritualidade e segue depois, segundo um ciclo de 5 anos, durante os cursos de Filosofia e Teologia. Nos seguintes parágrafos, Pio XII nos explica a importância dessa disciplina na vida do seminarista:                                                                                             

Os sacerdotes, obrigados por ofício a procurar a saúde eterna das almas, depois de recorrer eles próprios com diligente estudo as sagradas páginas, depois de torna-las suas pela oração e pela meditação, devem expor zelosamente aos fiéis essas soberanas riquezas da divina palavra em sermões, homilias e exortações.

Mas a ninguém está oculto que os sacerdotes não podem fazer bem essas coisas, se antes, durante sua permanência no seminário, não beberam esse ativo e perene amor à Sagrada Escritura. Portanto, os professores de Sagrada Escritura devem dar nos seminários todo o ensinamento bíblico, de tal maneira, que armem os jovens com o conhecimento e o amor às Divinas Letras; que seja fomento de verdadeira doutrina e de piedade sólida; y com tal fervor que seus alunos cheguem a experimentar em certo modo o mesmo que os discípulos de Emaús: “Não ardia, em verdade, nosso coração enquanto nos explicava as Escrituras?” (Luc. 24, 32)

Se em verdade chegarem os professores desta gravíssima disciplina a consegui-lo nos seminários, com santa alegria tenham a persuasão de haver contribuído grandemente à salvação das almas, ao progresso da causa católica, à honra e glória de Deus, cumprindo com isso um labor intimamente unido aos deveres do apostolado.”

Papa Pio XII, Extratos da Encíclica Divino Afflante Spiritu

Direito Canônico

Nesta matéria são estudadas as partes mais importantes do Código de Direito Canônico, que contém as leis pelas quais se rege a Igreja. É um complemento importante do estudo da Teologia Moral, porque ajuda a formar o juízo prudencial do futuro sacerdote.

Nas leis eclesiásticas, a Igreja condensou toda a sua sabedoria e experiência dos séculos: conhecê-las significa entrar em seu espírito e em sua intenção de dar glória a Deus e salvar as almas.

Liturgia

A liturgia é o conjunto das cerimônias pelas quais a Igreja expressa sua religião para com Deus, entre as que sobressai a Santa Missa.

A liturgia é o centro da vida espiritual do sacerdote, porque, como dizia Dom Lefebvre, seus “ensinamentos (…) são admiráveis e nos levam a uma maior santificação.” É também fonte de sua vida apostólica, porque nela dispensa a graça às almas e ela constitui, segundo Dom Lefebvre, “a catequese mais vivente, a mais eficaz.”

A liturgia é também uma regra de doutrina para os estudos teológicos porque, em palavras de Santo Agostinho, “a fé da Igreja es encontrada em suas orações”. Além disso, não se pode esquecer que as regras litúrgicas, mantêm a dignidade e a uniformidade do culto divino, conservando íntegro o dogma católico e mostrando a unidade de fé, esperança e caridade que une todos os fiéis em uma mesma família.

Esta matéria consta de um ciclo de 3 anos, saber:

  • 1º ano: Ano litúrgico - Breviário romano.
  • 2º ano: Missal romano.
  • 3º ano: Reforma litúrgica.

História da Igreja

A História da Igreja é a História de um combate entre duas “cidades”:                                                                                              

De um lado, a cidade de Deus, do modo que a institui Jesus: santa, imaculada, invencível, destinada a ser configurada a Ele pela cruz e pela caridade; destinada a carregar a cruz enquanto dure sua peregrinação n terra, mas também segura da vitória infalível pela cruz. Do outro lado, o inimigo irredutível até o fim do mundo, a cidade do diabo que, com suas falsas doutrinas e prestígios inumeráveis, se obstina contra a cidade de Deus, mas suas tentativas terminam sempre em fracassos." Pe. Calmel, Teologia da História

Dom Lefebvre dizia que “felizmente temos 2000 anos de cristianismo”. Com efeito, analisando a ação da Igreja ao longo dos séculos, sabemos o que devemos fazer hoje: guardar a missa de sempre, a doutrina perene e rechaçar os erros. O conhecimento da História da Igreja se torna dessa maneira indispensável para o sacerdote.

Em um ciclo de quatro anos, a História é estudada de modo cronológico desde Nosso Senhor Jesus Cristo até os nossos tempos, vendo de modo especial como Cristo é seu verdadeiro centro e cume. Os temas estudados se dividem da seguinte maneira:

  • Primeiro Ano: De Nosso Senhor ao III Concilio de Constantinopla (681 d.C.).
  • Segundo Ano: Do Império Carolíngio ao Renascimento.
  • Terceiro Ano: Do Protestantismo à Revolução Francesa.
  • Quarto Ano: Da Revolução à Atualidade.

Pastoral

Esta matéria consta de um ano de estudo como preparação dos diáconos ao ministério. Inclui o aprendizado da celebração da Missa, do uso do Ritual romano, da pregação, etc.